sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Crise ou oportunidade?

Amigos, vamos falar de um assunto que não sai da roda de discussão do povo brasileiro e acredito que dos americanos também não: a tão falada crise econômica!! Mas o que isso influencia no universo esportivo? Diante da situação, a minha reação se divide em dois principais aspectos: O meu lado pessimista e o meu lado otimista. O meu pessimismo é causado pelas inúmeras notícias de demissões de funcionários, de cancelamento de contratos, de direcionamentos de verbas que iriam para o esporte mas que sofreram desvios para outras áreas. É triste saber que muitas empresas não consideram o marketing como uma área vital para a empresa. Por outro lado, surge o meu "eu" otimista, claro que um pouco influenciado pela injeção de incentivo que o governo brasileiro dá nesses momentos de crises, com o incentivo ao empreendedorismo, à formação de novos negócios, á realização de investimentos, etc. Mas o fato é que realmente encaro esse momento como uma grande oportunidade de o esporte se destacar, já que sai da maneira de investimento convencional e aborda questões diferenciadas. Só que para isso devemos acreditar nisso, e principalmente vender isso, fazer com que os investidores também pensem assim e também encarem o esporte como uma oportunidade de negócio. Por isso digo que o meu lado otimista prevalece, pois a situação depende de variáveis incontroláveis e controláveis. Cabe a nós, gestores esportivos, controlar as variáveis possíveis no nosso caminho, e não ficar chorando como desesperados.
Sabemos da real situação mas procuraremos oportunidades!!

3 comentários:

André disse...

Maurício, gostei do seu otimismo, mas a dificuldade está justamente em convencer que o marketing esportivo é algo vital!! As empresas estão em uma fase que estão com medo de investir, seja onde for!! Mas é isso, vamos em frente para a luta!!

Abraços

André

Lucas disse...

Maurício, realmente, em um cenário pessimista, em que o espirito de corte de investimentos prevalece, é natural que os grandes investidores adotem uma postura conservadora. O grande é exemplo é a Petrobrás, uma empresa que ao longo dos anos se posicionou como uma das maiores incentivadoras e fomentadoras do esporte brasileiro, optou congelar os investimentos destinados a Lei de Incentivo ao Esporte. Em contrapartida, observa-se um número maior de pré-requisitos para se ter um projeto apoiado pelas grandes instituições. E isso sem dúvida vai aumentar a necessidade de que tais projetos sejam formatados por profissionais devidamente qualificados e não mais por aventureiros que utilizam o esporte como meio de obter acesso as grandes verbas. O mercado automaticamente filtrará os melhores profissionais. Sendo assim, bola para frente. Abraço e parabéns pela iniciativa do blog

hdebarbamalfeita disse...

É a famos máxima, que a o problema pode ser uma solução disfarçada. sinceramente acredito, que está bem escondida essa solução para o esporte. Espero que o seu lado otimista me convença do contrário.